Ir para o conteúdo

Institucional

História

O estudo médico e tratamento da doença oncológica em Portugal remontam ao princípio do século XX.

A 29 de Dezembro de 1923, por Decreto do Ministério da Instrução Pública era criado o Instituto Português para o Estudo do Cancro, então com sede provisória no Hospital Escolar de Santa Marta.

O poder político reconhecia assim o imperativo sanitário do estudo e tratamento do cancro mas também, o trabalho meritório que neste campo nomes consagrados da medicina portuguesa vinham a desenvolver. De entre os seus mais ilustres destacava-se o Prof. Doutor Francisco Gentil que vê concretizado um dos maiores sonhos da sua vida, quando a 29 de Dezembro de 1927, é inaugurado o primeiro pavilhão do I.P.O. – o primeiro Centro Regional da luta contra o cancro em Portugal.

Em Coimbra, três décadas depois, o Prof. Doutor Luís Raposo empenha-se na mesma causa defendendo a criação de um centro anticanceroso capaz de dar resposta à população do Centro do País, o que veio a acontecer em 1953 com a aquisição de uma pequena vivenda – o primeiro edifício sede do Centro de Coimbra do I.P.O.. Depois das obras de adaptação que se impunham, o Centro dá início à sua actividade em 1962 e, em 1977, autonomiza-se relativamente a Lisboa. Era o processo natural de emancipação de uma estrutura, cujo crescimento, tornara imprescindível.

Da pequena vivenda adquirida em 1953, até aos nossos dias, decorreu mais de meio século. Demolindo velhas estruturas e remodelando outras, modernizando equipamentos e espaços, a instituição não tem parado de crescer, fiel ao seu mais nobre compromisso – a excelência do bem cuidar o doente oncológico.

Anos mais tarde seria adquirida uma vivenda contígua, tornando possível, após demolição, expandir o edifício da cirurgia, acrescentando-lhe o actual internamento de ginecologia e a unidade de cuidados intermédios.
O edifício da radioterapia, desde sempre associado ao respectivo tratamento e que se confunde com o próprio início da actividade da instituição foi objecto, ao longo dos anos de várias obras de manutenção e restauro, acompanhadas por um desenvolvimento notável do seu “plateau” técnico.

Este esforço de adequação da estrutura às necessidades, vem a ganhar maior visibilidade nos últimos anos e é orientado, fundamentalmente, por três vertentes:

  • Expansão do “campus” hospitalar;
  • Crescimento da capacidade instalada;
  • Melhoria das condições de bem-estar e conforto.