Notícias

Grupo Digestivo - “Encontro com o especialista”

O Grupo Digestivo do Serviço de Oncologia Médica, organizou uma bem-sucedida ação de formação: “ Encontro com o especialista”.

A mesma decorreu no período compreendido entre os dias 2 e 30 de Março e o público-alvo foram  os internos de formação específica, tendo sido abordados vários temas que compreendem este grupo de patologia.

A abrir esta iniciativa, a Dr.ª Andrea Silva abordou o tema “mecanismo de ação dos fármacos e mecanismos de resistências” e o Dr. Pedro Madeira trouxe aos trabalhos formativos o tema “Manuseamento de toxicidades e terapêutica de suporte”.

No dia 9, foi a vez da Dr.ª Paula Jacinto refletir sobre o tema das “patologias do cancro do estômago, esófago e pâncreas”.

Os trabalhos prosseguiram no dia 16, onde os internos puderam assistir à intervenção do Dr. João Ribeiro e do Dr. Nuno Bonito. O primeiro falou sobre “tumores neuroendócrinos do tubo digestivo” e o segundo sobre “tumores das vias biliares e hepatocarcinoma”

Já no dia 23 a palestrante foi a Dr.ª Judy Paulo, que falou sobre os “Tumores do intestino delgado e tumores do estroma gastrointestinal”, tendo, ainda, o Dr. Nuno Bonito desenvolvido o tema “Tratamento neoadjuvante no cancro do reto e tratamento adjuvante no cancro do cólon e reto”.

Os trabalhos desta ação de formação encerraram-se, no dia 30 de Março, com 3 apresentações:

A primeira, da Dr.ª Sandra Saraiva sobre o tema “Avaliação de risco genético: tumores do cólon e reto”; precedida pelo Doutor Hugo Prazeres, que falou sobre “Status molecular no cancro coloretal metastizado” e, por último, o Dr. Nuno Brito que falou do tema “Abordagem do doente com cancro coloretal metastizado”.

Todas as apresentações foram seguidas de discussão onde foram tentadas esclarecer as dúvidas suscitadas pelas diferentes temáticas.

Segundo o Médico Coordenador do Grupo Multidisciplinar de Digestivo, Dr. Nuno Bonito: “Pretende-se dar continuidade a esta formação, reforçando o seu cariz multidisciplinar, permitindo que os vários temas sejam discutidos de forma transversal às várias áreas de intervenção deste grupo de patologia. Reforço também a importância dos internos de formação específica das várias especialidades se conhecerem entre si, permitindo a continuidade do fator diferenciador da nossa instituição que é a abordagem multidisciplinar sempre com o doente no centro da decisão”.

Voltar